sexta-feira, 19 de setembro de 2014


TÚNEL DO TEMPO DA HISTÓRIA DE ITAPAJÉ
FATOS E EFEMÉRIDES DO DIA 19 DE SETEMBRO







LUÍS FORTE DA SILVA
19 de setembro 1925 / 23 de fevereiro de 1989

                 Luís Forte nasceu a 19 de setembro 1925, filho de José da Mota Silva – Zeca Paraíba. Grande líder político e ex-prefeito de Itapajé - (1962-1965). Exerceu grande influência político em nosso município, gozando também de grande prestígio popular. Foi um dos principais responsáveis pela instalação da Escola de Primeiro Grau Professora Estefânia Matos.
No ano de 1934, ainda muito jovem, transfere-se para Fortaleza, a fim de dar continuidade a seus estudos. Regressa ao seu sertão, logo depois, em 1935. dali, mais uma vez, transfere-se para Canindé. Finalmente em 1937, retorna, mais uma vez, a Fortaleza para submeter-se ao Exame de Admissão.
O curso ginasial é concluído em 1938, no Colégio São Luís, naquela mesma cidade. Já o curso ginasial fez no Colégio São João.
No ano de 1948, conclui o terceiro grau, formando em agronomia, paralelamente ingressa no CPOR, saindo dali como Aspirante a Oficial da Reserva. Algum tempo depois, recebe convite para ser professor de agricultura ou mecânica, na Universidade Federal do Ceará. Não aceita o convite e retorna a Pitombeira, sue torrão natal. 
Casa-se com Maria Júlia em 1951, constituindo família. Passa a dedicar mais de seu tempo à política local. Revela aí, seu grande carisma e desperta entre seus amigos uma grande amizade.
Luís Forte foi eleito prefeito municipal, para a gestão 1962-1965. O vice foi o senhor Manuel Deoclides de Sousa, a chapa concorrente foi composta por Raimundo Gentil Ferreira Gomes - candidato a prefeito e a vice, o Sr. Iran Araújo Pinheiro. 
Muito nossa cidade deve a esse tão importante filho. No dia 23 de fevereiro de 1989, quinta feira, falece, deixando uma grande lacuna na sociedade local.
Luís Forte, durante sua gestão, sancionou, dentre outras, as seguintes Leis:


Lei n.º  401  de 19 de julho de 1963 – A Prefeitura Municipal de Itapajé faz doação de um prédio na rua 2 de Fevereiro, esquina com a travessa Benjamim Barroso (atual Travessa José Cláudio), para o funcionamento da Agencia Municipal de Estatística Local, cedendo em definitivo o imóvel para o IBGE. (Luís Forte da Silva).     

Lei n.º  403  de 27 de setembro de 1963 – Abre crédito no orçamento municipal, no valor de Cr$ 300.000,00, para a construção de um estádio de futebol. (Luís Forte da Silva).

Lei n.º  404  de 5 de outubro de 1963 – Faz a doação de um terreno de propriedade da Prefeitura Municipal, adquirido de Raimundo Benício Bastos, para a futura sede do Círculo Operário Rural de Itapajé. (Luís Forte da Silva). 

Lei n.º  409  de 12 de outubro de 1963 – Destina crédito para a ampliação do cemitério de Iratinga - (São Miguel), no valor de Cr$ 50.000,00. (Luís Forte da Silva).

n.º  419 de 9 de junho de 1964 – Destina verba para melhoramento do prédio da Assembléia de Deus, edificada na praça Getúlio Vargas, no valor de Cr$ 100.000,00. (Luís Forte da Silva). 

Lei n.º  426  de 10 de novembro de 1964 – Art. 1.º - Fica o Prefeito Municipal de Itapajé, autorizado a abrir um crédito especial de Cr$ 1.500.000,00, como contribuição do município na compra da casa do Juiz de Direito da comarca. Art. 2.º Esta lei entra em vigor.... (Luís Forte da Silva). 
Lei n.º  427 de 12 de abril de 1965 – Denomina de Travessa José Cláudio (Ferreira), a antiga Travessa Benjamim Barroso. (Luís Forte da Silva).
Lei n.º  434 de 2 de junho de 1965 – Autoriza o Prefeito a comprar e a doar um terreno, medindo 6,60 m x 50 metros, no valor de Cr$ 200.000,00, de propriedade de Amarílio Gonçalves Coelho, para o Ginásio São Francisco de Assis, destinado a construção de um auditório - o atual Auditório Paulo Sarasati – (Luís Forte da Silva).
Lei n.º  494 de 2 de junho de 1965 – Orça a receita e fixa a despesa para o exercício de 1967, no valor de Cr$ 2.304.000,00 - (Luís Forte da Silva, esta foi a última lei sancionada em sua gestão).
Luís Forte foi, segundo reportagem da Gazeta de Itapajé de Itapajé - 1 de julho de 1965, um dos mais entusiasta e defensor da instalação de uma agência do Banco do Brasil, em Itapajé. Abaixo cópia da matéria, assinada pelo jornalista José Maria Barbosa Lima, de saudosa memória.

GAZETA DE ITAPAJÉ -  1 de julho de 1965, n.º 3, ano I


"Na GAZETA DE ITAPAJÉ, edição de 1 de julho de 1965, n.º 3, ano I, Quinzenário Independente, Órgão da Cooperativa Agrícola Mista da Serra de Uruburetama. Seu diretor:  Godofredo Pimentel, Redator: José Maria Barbosa Lima, em um de seus artigos diz: "Tendo à frente o vigário da Paróquia, Rev.mo. Padre Manuel Lima e o Sr. Prefeito Municipal, Dr. LUÍS FORTE DA SILVA, uma comissão composta de representantes das classes produtoras, da indústria e do comércio deste município, esteve semana passada em Fortaleza, a fim de tratar, junto ao Deputado Federal Paulo Sarasate, da instalação de uma Agência do Banco do Brasil nesta cidade. Evidentemente, Itapajé, por sua privilegiada posição geográfica; condição, econômica e social, apresenta maiores possibilidades do que qualquer outro município da zona de Uruburetama, de manter uma agência do BB, a fim de atender às necessidades econômicas de sua região. Cabe, portanto, às figuras mais representativas nas esferas políticas e administrativas do município, o recrudescimento de tão louvável campanha". No entanto, a tão sonhada e necessária agencia local do Banco do Brasil, só viria a ser inaugurada em 24 de setembro de 1976, tendo com seu primeiro gerente o Sr. João José Magalhães. O prefeito municipal era o Sr. Luís Gonzaga Saraiva".



ANIVERSÁRIOS DE SAUDADE:





MAXIMINA GEORGINA PINTO DE ARAÚJO


19 de setembro de 1925 - Sábado. 

19 de setembro de 1925 - Sábado. Neste dia falece MAXIMINA GEORGINA PINTO DE ARAÚJO, vítima de "Eclâmpsia", na Fazenda Barra. Era filha de João Pedro Pinto de Araújo e de Joanna Andrade - (Mãezinha), residentes em São Miguel. Maximina casou em 08.12.1909, com PEDRO DE QUEIROZ BASTOS, nascido em 27 de setembro de 1889 - Sexta feira, no sítio Carnaubinha em São Francisco de Uruburetama. Filho primogênito do casal: Francisca Idelzuith de Mello e do Capitão José Paulino de Queiroz Bastos. Segundo sua neta Irene Delne, filha Isabel Dalila Bastos Forte e Avelino Bernardo Forte: “Em 02.11.1902, à data de morte de seu pai era aluno interno do Colégio São Luís em Sobral. Rapaz estudioso, rico, bonito, branco de olhos azuis. Uma alma de escol. Silenciou a tragédia que abateu sua família. Gostava de ler, jogar cartas, mascar fumo, tocar flauta e às vezes contar história.... Em 19.09.1925, viúvo aos trinta e cinco anos – precisamente, como diria Aristóteles Carneiro: 35 anos, 11 meses, 3 semanas e 2 dias - de idade. Recolheu-se a sua solidão. Foi agropecuarista e dono de “comboio”, sem nenhum pendor para atividades rurais. Viveu de heranças. Elegia como chefe político e da família Bastos, seu primo, compadre e amigo Mondim Bastos. Saiu, discretamente, da vida como viveu. Teve morte súbita, no interior de um táxi na companhia de sua filha Isabel Dalila Bastos Forte, em Fortaleza, aos 11 dias de maio de 1968. (Neste dia 19 de setembro de 2014, se vivo fosse Pedro estaria com, mais uma vez lembrando à precisão de Aristóteles Carneiro, contaria com exatos: 124 anos, 11 meses, 3 semanas e 2 dias ou 45.647 dias. Eita! Quanta precisão Aristoteliana!).
(No texto de Irene Delne, cujas informações foram aqui utilizadas, o nome completo de família é: MAXIMINA GEORGINA (ANDRADE, PINTO) DE ARAÚJO).





ANIVERSÁRIO DE SAUDADE:


EULÁLIA RICARDO DE OLIVEIRA
12 de fevereiro de 1928 /  19 de setembro de 2003
“TRAJETÓRIA DE UMA VIDA, QUE SE FEZ EM TRABALHO”



“A 12 de fevereiro de 1928, no sitio Frade, nasceu Eulália Ricardo de Oliveira. Filha de Antonio Ricardo de Sousa e Virginia Ferreira Oliveira, os quais tiveram mais cinco filhos: Rosa Ricardo, Eliane Ricardo, Rita Ricardo, Manoel Ricardo e José Ricardo.
Esta é uma história digna de ser contada, pois mostra as lutas que aquela menina teve em sua infância, e adolescência. A vida difícil para a época. Porém tudo iniciou dentro do próprio lar, pois seus pais, Antonio e Virgínia que residiam no sitio Frade tiveram uma mercearia. E desde muito cedo ensinava seus filhos a labutar. No entanto, dos seis filhos, destacou-se logo a determinada Eulália que não mediu esforços para conquistar seus anseios e virtudes.
Nunca se intimidou pelo fato de ser mulher. É exemplo de capacidade e perseverança. Nunca se envergonhou de descer a serra montada em um burro, comboiando os animais que eram transportes da época, onde vinha negociar mamona, milho e algodão.
Aos 18 anos, Eulália começou a trabalhar nas feiras. Em 1949 já aos 20 anos, casa-se com Ananias Rogério de Sousa. No casamento tiveram 04 filhos: confiando em Jesus, dois deles estão com ela nesse momento. Momento sublime que é a morada eterna. Estando presente entre nós Euclides Ricardo de Sousa e Zeneida Ricardo de Sousa.
Os Filhos foram mais uma das motivações para aquela mulher guerreira que nada fazia abater-se mediante quaisquer situações. Trabalhou muito, os seus maiores prazeres e lazeres era o seu trabalho.
Grandiosos eram os seus esforços, de feira em feira foi cultivando suas economias. Até que um dia transformou-se em uma comerciante de fibra. Conhecida e respeitada não somente no Ceará como também por boa parte do Brasil.
Exemplo de comerciante, pioneira no artesanato da região. Construiu seu império, mas nunca precisou passar por cima e muito menos humilhar alguém. Era de uma simplicidade imensa, e quem a conheceu de verdade sabe da bondade e da essência do coração.
Esta é uma pequena homenagem e um simples relato da vida e obra da Sra. Eulália Ricardo de Sousa que tinha com ela a seguinte frase: “NUNCA CHORE PELO QUE VOCE PERDEU: LUTE E TRABALHE, QUE JESUS LOGO ABENÇOARÁ SEUS ESFORÇOS”.
E na certeza de que a Sra. estará sempre acompanhando seu filho, filha, nora, netos e bisnetos, Jesus  possa conceder-lhes gozar da mais nova morada junto ao Reino de Deus Pai. No 19 de setembro de 2003, a Senhora partiu de nosso convívio, mas deu inicio a uma nova vida que renasceu diante da vontade do Pai”.

Observação:
Este texto foi escrito por VANDERLEY - em 25/09/2003. (Transcrição ipsis littteris).



ANIVERSÁRIO DE SAUDADE:


ALEXANDRE DA COSTA BRANDÃO
19/09/1924 - 19/08/1999



19 de agosto de 1999. Nessa data falece Alexandre da Costa Brandão. Patriarca de ilustre família de Itapajé. Nasceu em 19/09/1924.

FRASES DO DIA

"Os grandes homens não nasceram na grandeza, engrandeceram."

"A história é testemunha do passado, luz da verdade, vida da memória, mestra da vida, anunciadora dos tempos antigos." - Marcus Tullius Cícero


“Antes que  o ´Deserto´ me vença, continuarei a teimar em tentar resgatar a história de Itapajé, mesmo que timidamente!” – Ribamar Ramos. 

Por hoje é o que tenho para contribuir, mesmo que modestamente, para a História de Itapajé.














Ribamar Ramos
Fortaleza 19 de setembro de 2014


sábado, 13 de setembro de 2014

O ILUSTRE ANIVERSARIANTE DO DIA 13 DE SETEMBRO







FRANCISCO FELIPE DE ARAÚJO SAMPAIO
(13-09-1834 - São Francisco de Uruburetama / 27 de outubro de 1902 – Castanhal (Pará))

Filho de José de Andrade Sampaio e de Dona Vicência Ferreira Sampaio, nasceu em Itapajé, então São Francisco da Uruburetama, a 13 de setembro de 1834, partindo aos 19 anos de idade para o Rio, a fim de se matricular na Escola Militar. Concluído o curso, encarrego-o o Governo de montar um laboratório pirotécnico no Pará, ali permanecendo até 1865, quando seguiu, para a guerra do Paraguai, na qual tomou parte até o fim, desempenhando importantes missões, como a da direção do laboratório pirotécnico de Corrientes e secretário da Junta Militar de Justiça criada e instalada após a queda de Assunção.
De volta ao torrão natal – São Francisco de Uruburetama - entregou-se à política. No biênio 1882/83 é eleito Deputado Provincial. Ocupa muitos outros postos importantes e de confiança. Desiludido com à política, passa a atuar no maior projeto humanitário da história do Brasil. Integra-se totalmente à Causa Abolicionista, que o sa­grou como um de seus chefes e ardoroso abolicionista, e graças aos seus esforços, Itapajé, então São Francisco de Uruburetama, em 2 de fevereiro de 1883, a se­gunda vila livre do Brasil.
Quando do Cinquentenário da Abolição, em 2 de Fevereiro de 1933 – um logradouro público é dado seu nome: Rua Felipe Sampaio, a rua grande de Itapajé.
Deixando à política, tornou-se, com o mes­mo ardor que lhe era característico, propagandista de ideais generosos e altruísticos, de fundo altamente religioso. Instituiu a Associação das Senhoras de Caridade, de Fortaleza, e foi presidente da Sociedade de São Vicente de Paulo do Ceará, em cuja sede, à Praça José Julio, há o seu retrato.
Passando a residir em Pernambuco, manteve o mesmo espírito caritativo e nobre. Foi naquele Estado, subgerente da Companhia Ferro-Carril, e a convite da companhia, seguiu para Belém do Pará, onde se tornou chefe do tráfego da Companhia Urbana Paraense, transferindo residência para Castanhal, onde faleceu a 27 de outubro de 1902.
Foi no Ceará, também, em 1882, presidente da Associação Artística Cearense. Tinha a patente de Tenente Honorário do Exér­cito, e casou-se em primeiras núpcias, com Dona Jesuína Leal de Mene­zes, filha do Cel. Francisco Teixeira Bastos. Jesuína faleceu na cidade do Recife em 1900.
Contraiu segundas núpcias com Dona Paulina Braga, tendo de ambos os matrimônios, sete filhos. Possuía todas as Medalhas de Campanhas: Do Brasil, Uruguai e Argentina e era além de bravo, protótipo de homem de bem. Parabéns Felipe e demais aniversariantes deste dia 13 de setembro.



"Os grandes homens não nasceram na grandeza, engrandeceram."









Ribamar Ramos
Boa noite / Bom dia
Fortaleza 13 set 2014

quinta-feira, 4 de setembro de 2014



TÚNEL DO TEMPO DA HISTÓRIA DE ITAPAJÉ
Fatos e efemérides do dia 4 de Setembro, na História de Itapajé

4 de setembro de 1911– Segunda feira.
Autorização para a construção da Capela de São Miguel (atual Iratinga), dedicada ao Arcanjo Miguel.

O Bispo Diocesano de Fortaleza Dom Joaquim Jose Vieira, da Diocese de Fortaleza a qual a Paróquia de São Francisco estava subordinada, autoriza à construção de uma capela na vila de São Miguel – (Atual Distrito de Iratinga), consagrada ao Arcanjo Miguel. Aos vinte dias do mês de novembro desse mesmo ano, padre Catão, assim escreveu no Livro de Atas e Tombo da Paróquia: “Certifico que aos vinte dias do mês de novembro de mil novecentos e onze, pela cinco horas da tarde, compareci ao local destinado à construção da capella, à margem esquerda do rio que banha esta Villa, na povoação de São Miguel. A Pedra Fundamental foi conduzida por quatro criancinhas de oito a nove anos de idade, da casa do Sr. Raymundo Vieira, para o referido local, acompanhamos.... fiz a leitura da provizão supra e da doação do patrimônio, que foi doado pelo Sr. João Teixeira Saraiva e sua senhora esposa, Dona Maria da Penha Saraiva. Procedi à bênção da primeira pedra e sua colocação, em tudo conforme as prescrições do Ritual Romano. E para que possa um tempo constar, lavro o presente termo que assigno. São Francisco, 21 de novembro de 1911. – Vigário Catão Porfírio Sampaio”. A transcrição acima é absolutamente literal e consta no Livro de Tombo da Paróquia de São Francisco de Assis. No entanto, somente no ano de 1914 é que se inicia sua construção.










4 de setembro de 1935 – Quarta feira.
PEDRO PEREIRA DE SOUSA – Sofre acidente quando servia ao Exército Brasileiro.

No verão do ano de 1911, no dia 16 de novembro, nasce no distrito de Soledade, Pedro Pereira de Sousa. Seus pais eram: Luís Pereira de Sousa e Izabel Pereira da Costa. Ainda jovem, aos 23 anos, já casado, alistou-se nas Forças Armada, no Exército Brasileiro. A data foi muito importante, para si próprio e para seus familiares, aquela data - dia 3 de Janeiro de 1934. Seu sentimento patriótico o fez desempenhar suas funções, com muita dedicação.
Certo dia, o fatídico dia 4 de setembro de 1935, quando em trabalho, se acidenta seriamente. Em consequência perde o olho direito e têm sérios comprometimentos no esquerdo. Por esse motivo é mandado para a reserva, aposentado.
O golpe foi terrível, aquele dia foi inesquecível, grande parte dos sonhos de Pedro Pereira, estavam perdidos. Encerrava-se ai a pretensão de continuar a prestar serviços à Pátria Amada. Ficava, no entanto a certeza de ter cumprido a missão, apesar de efêmera, de dar tudo de si pelo seu país.
Pedro Pereira, homem de personalidade forte, seguro em seus pontos de vista, foi muito benquisto e respeitado em nossa comunidade, faleceu no dia 10 de setembro de 1985 – Terça feira. Deixou viúva, filhos que dignificam nossa sociedade e, principalmente muitos amigos.
 Itapajé, em reconhecimento a importância desse seu filho ilustre, veio, recentemente homenageá-lo, dando-lhe nome a uma rua de nossa cidade. Parte da Rua Fausto Pinheiro, hoje é denominada Rua Pedro Pereira de Sousa, por coincidência, a rua em que sempre morou.





4 de setembro  1949 - Domingo.
Inauguração e Bênção do Monumento a São Cristóvão, em São Miguel.

Nesta data é inaugurado o Monumento a São Cristóvão, na margem direita – sentido distrito-sede, em São Miguel, atual distrito de Iratinga. O pároco era o Pe. PAULO FERREIRA DE ALMEIDA, (10.º Pároco da Paróquia de são Francisco de Assis - (1/03/1941 a 31 de maio 1950). Nova vida tomaram as associações religiosas com seu paroquiato, tornando-se muito querido de seus paroquianos. Na época o Prefeito era o Sr. FRANCISCO TEIXEIRA BRAGA, da UDN, que governou de 1947 a 1950. Eleito pelo povo, em eleição que tinha como adversário o Sr. Expedito Matos, apoiado pelo PSD. Em 4 de setembro de 1952 - Quinta feira, o Pároco em exercício, Padre FRANCISCO EVARISTO DE MELO, (20/03/1950 a 1956) - o 11.º Pároco e sucessor de Padre Paulo faz referência, no Livro de Tombos da Paróquia, ao terceiro aniversário do referido Monumento a São Cristóvão – o protetor dos motoristas.








OUTRAS EFEMÉRIDES:

4 de setembro de 1901 – Quarta feira.
Nasceu: JOAQUIM HORÁCIO DE SOUSA – (Faleceu em 21 de junho de 1973 – Segunda feira).

4 de setembro de 1974 – Quarta feira.
Falecimento de: ALMERINDA PEIXOTO CAVALCANTE – (Nasceu em 24/07/1909).



FRASES DO DIA

"A história é testemunha do passado, luz da verdade, vida da memória, mestra da vida, anunciadora dos tempos antigos." - Marcus Tullius Cícero



“Antes que  o ´Deserto´ me vença, continuarei a teimar em tentar resgatar a história de Itapajé, mesmo que timidamente!” – Ribamar Ramos. 

Por hoje é o que tenho para contribuir, mesmo que modestamente, para a História de Itapajé.



Ribamar Ramos
4 de setembro de 2014.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014




              MÁRIO MOREIRA DA SILVA 

(1 de setembro de 1920 / 28 de fevereiro de 1998)


Mário nasceu na cidade de Cedro, Ceará, em 1º de setembro de 1920, seus pais eram: Joaquim Moreira da Silva e Joana Moreira da Silva, era o segundo filho de uma prole de seis filhos.
Entra para o Serviço Nacional de Febre Amarela, atualmente denominada SUCAM,  nos idos do ano de 1944. Cinco anos depois, isto é, em 1949, é designado a prestar serviço em Itapajé, no combate a endemias. Costumava dizer que quem bebia a água do riacho “Boston”, jamais poderia passar muito tempo longe dessa terra.
Assim confirmava-se sua “Teoria”, pois em 1950 contraia núpcias com Idelzuite Aragão Muniz, dessa união nasceram nove filhos: Francisco Mário, Marúzia, Madsom, Márcia, Nágela, Gerúsia, Múrcio, Mário Filho e Anchieta Sávio.
Foi sócio fundador da Loja Maçônica de Itapajé e membro ativo do Lions Club de Itapajé, sendo também um dos principais fundadores. Em 1980 é eleito Presidente dessa entidade de prestação de serviço, onde viria em 1982 a receber um Diploma de Reconhecimento por Serviços prestados à Comunidade. No ano de 1994 também mais um Diploma de Honra ao Mérito, por serviços prestados, desta vez do Governador do Estado, Ciro Ferreira Gomes.
Bem antes, em 1979, conclui o curso de Agente de Saúde Pública, em categoria profissional de Supervisor Endemias, no Ensino Técnico de Brasília. Itapajé muito deve a esse cidadão que aqui veio prestar um serviço de saúde, bebeu da água do Riacho Boston (Riacho da Bosta), e nunca mais saiu de Itapajé. Dedicou-se a tal ponto à saúde pública local, que era indiscutivelmente tido como um verdadeiro benemérito.
Quando ocorreu uma verdadeira epidemia de cólera nessa região, no meio da década de 90 (1990), Itapajé testemunhou mais uma vez a eficiência do “velho” Mário.
Atualmente as festas do padroeiro, São Francisco de Assis, não são mais tão alegres, principalmente com relação a última noitada, quando Mário era sempre solicitado a ser o “Leiloeiro”.
Itapajé ficou devendo muito ao “Velho Mário”, a principal omissão foi a não outorga de um Título de Cidadania. Postumamente, para homenageá-lo, deram-lhe seu nome a uma rua de Itapajé. Homenagem justíssima, dado a importância que Mário representou e integrou-se nas lutas em defesa da saúde pública!
Mário faleceu em 28 de fevereiro de 1998, vítima de um enfisema pulmonar. Nunca mais Itapajé foi o mesmo. A saúde muito perdeu, a organização da festa do padroeiro, idem.  Seus muitos amigos hoje são mais tristes, falta-lhe o bom papo do velho Mário. Às vezes até sua forma “ranzinza” de ser, nos traz muitas saudades. Nunca mais o time da pescaria se reuniu: Mário, Dr. Eldo Louzada, Ribamar Ramos, Gerardinho Rocha, Rigoberto Fontenele, Marcelo do Gerardinho, César Costa, Francisco Saraiva, Tony Português e tantos outros. Adeus amigo Mário! Deus o tenha junto de Si. Você merece!




Entrevista de Ribamar Ramos, em  14 de agosto de 1984, com MÁRIO KOREIRA DE SOUSA.




“Hoje, meus amigos, já não sou “Um Cedro!” Transformei-me em uma Pedra pequenina de ITApajé”

Mário Moreira da Silva
(01/09/1920-28/02/1998)



PENSE NISSO

"Grandes homens são os que fazem a diferença na vida de alguém. São os que sabem semear o jardim das afeições com as delicadas flores da atenção e da presença, nos momentos mais marcantes ou decisivos das suas existências".



FRASE DE HOJE

“Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só”. Amyr Klink



Por hoje é o que tenho para contribuir, mesmo que modestamente, para a História de Itapajé.



Ribamar Ramos
1 de setembro de 2014.


quinta-feira, 31 de julho de 2014

15 DE AGOSTO DE 2014

(SEXTA FEIRA)


JUBILEU DE OURO SACERDOTAL

(15 de agosto de 1964 / 15 de agosto de 2014)

MONSENHOR PASCOAL RIOS OSTERNE














  






































JUBILEU DE OURO SACERDOTAL

(1964 / 2014)

PADRE PASCOAL RIOS OSTERNE

(Abaixo transcrição da entrevista feito pelo radialista JOSÉ IVO MAGALHÃES - Rádio Uirapuru de Itapipoca - Texto fornecido por Ana Maria Xavier).

 Sacerdote de Cristo, nascido aos 31 de julho de 1937, na cidade do Marco (CE), filho de Manoel Osterne Filho e Inês Rios Osterne. É o 3º de 11 irmãos.
Ingressou no Seminário Provincial de Fortaleza em 1948, onde cursou o 1º e 2º graus. De 1958 a 1960, cursou o 3º grau na Faculdade de Filosofia do Ceará.
Foi ordenado Sacerdote no dia 15 de agosto de 1964, por D. José de Medeiros Delgado, na Igreja do Seminário da Prainha – Fortaleza.
Seu primeiro trabalho como sacerdote foi em Baturité, Capistrano e Itapiúna como vigário-cooperador do Pe. Eduardo Fialho (1964-1965).
Em 1966 assumiu a Paróquia de Irauçuba como pároco e concomitantemente como vigário-cooperador do Pe. Lima em Itapajé.
Em 1970 foi nomeado Pároco de Assunção.
Em 1976 assumiu a patente de Capelão da Escola de Aprendizes Marinheiros em Fortaleza, e, paralelamente, a Paróquia de Henrique Jorge.
Em 1981, dada a crise de escassez de padres pela qual passava a Diocese, Pe. Pascoal voltou a Itapipoca, assumindo, desta vez, a Paróquia N. S. das Mercês – Catedral (Pároco) e Vigário Paroquial da Paróquia de Assunção.
Em julho de 1982, com o falecimento do Pe. Lima, Pe. Pascoal voltou a Itapajé, desta vez como Pároco, onde permaneceu maior parte de sua vida sacerdotal, período este que durou até 4 de janeiro de 1999 (16 anos e 5 meses).
Em 1998, quando ainda pároco de Itapajé, Pe. Pascoal foi nomeado Vigário-Geral da Diocese de Itapipoca, permanecendo até o final do episcopado de D. Benedito.
Em 2006 assumiu a função de Vigário Judicial e Membro do Conselho Econômico.
Foi membro do Colégio dos Consultores da Diocese de 1983 a 2003.
Integrou o Conselho Presbiteral no período de 2001 a 2012.
Construiu e foi Reitor do Seminário João Paulo II, em Itapipoca.
No dia 9 de janeiro de 1999, assumiu a Paróquia de São João Batista em Uruburetama, onde permanece até hoje.
Pe. Pascoal se destaca ainda como um exímio educador, voltado para o social e a formação da pessoa humana. Quando pároco de Irauçuba, preocupado com a situação dos jovens, tomou algumas iniciativas com o intuito de incentivá-los a se qualificarem para uma profissão, como cursos breves e profissionalizantes, cujo lema era: “Uma profissão para cada jovem”.
Por onde passou, procurou proporcionar meios de incentivo à educação, esporte e trabalho. Sempre com o objetivo de oferecer ao povo de Deus um lugar próprio para se reunir, empenhou-se em construir Igrejas. Por onde passa, sempre procura motivar bastante as pastorais, movimentos e serviços. Registra-se ainda como destaque relevante em sua vida sacerdotal a descoberta e incentivo às vocações para o sacerdócio. Teve a alegria de encaminhar ao seminário vários jovens, dos quais 12 são padres hoje.
Esse é, portanto, um fato importante em sua trajetória, pois, quando alguém lhe pergunta se é feliz como padre, ele responde: “Já encaminhei ao seminário vários jovens. Prova de que, se não fosse feliz, não incentivaria as vocações!”. Destes, 12 já são padre: Marques, Juvemar, Ribamar, Messias, Aureliano, Arão, Joaquim, Flávio, Júnior (Jesuíta), Jorge e Gilvan (Orionitas), Raimundo Nonato e Ednaldo, este a ser ordenado no final do ano.
Também vale ressaltar aqui a oportunidade de estágio que ele possibilitou em sua casa/paróquia a alguns diáconos e padres: Pe. Ribamar, Pe. Arão, Pe. Aldo, Diác. e Padre Adelino, Ailton, Agenor e Marciano.
Como educador nato, fundou em Irauçuba o colégio Paulo Bastos, do qual foi diretor e professor. Em Itapipoca, atuou como professor no Colégio Estadual Joaquim Magalhães. Em Itapajé, exerceu a função de diretor e professor do Centro Educacional São Francisco de Assis (CESFA), do Patronato São José e do Grupo Escolar Monsenhor Catão. Já em Uruburetama, sendo ele professor efetivo do quadro da SEDUC, exerceu o magistério na Escola Mathilde Vasconcelos.
Ainda em Itapajé, Pe. Pascoal deu total apoio à abertura da Casa de Formação das irmãs da Congregação Cordimariana, com as quais guarda ainda um estreito laço de amizade.
Algumas virtudes são marcantes na pessoa do Pe. Pascoal. Dentre elas, destaque para: dedicação incansável ao serviço pastoral, zelo apostólico, diálogo franco com todos. Além disso, é uma pessoa extremamente acolhedora, sabe se relacionar bem com todos os que dele se aproximam, é comunicativo, alegre, extrovertido e sempre está de bem com a vida.

Seu lema sacerdotal: “Fui encarregado de anunciar a Palavra de Deus” (Col. 1,25).

Seu slogan: “Quanto pior, melhor”.

Amigo: Pe. Queiroga.

Padroeira: Santa Rita de Cássia.

Orgulho: “Nunca deixei de atender a uma confissão de enfermo!”.

Frase: “Não canso com nada”.

Entretenimento: futebol (jogar, assistir), leitura, música (tocar, ouvir, cantar), vida no campo.

Times: São Paulo, Fluminense e Fortaleza.

Lembrança: Amizade e convívio com o Pe. Lima.

Virtude: Acolher bem a todos.

Palavra: Trabalho.

Jargões: “Gente boa”, “A festa só é boa quando se assiste da bandeira à procissão final”.

Viagem Inesquecível: Jerusalém (Terra Santa).

A vida do Pe. Pascoal pode ser parafraseada no que escreveu Euclides Carneiro da Silva: “Conto meus dias pelas bênçãos que espalho, pelos perdões que distribuo. Eu tenho a idade do amor”.
Entre as construções administradas por ele:
- Em Itapipoca: 
Seminário João Paulo II e Capela de S. Cura D’Ars.

- Em Itapajé:
Capelas de: Santa Rita, São Sebastião, São Pedro (Bairro Pe. Lima), Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora do Rosário - Serrote do Meio, São Pedro (Serra), Nossa Senhora do Carmo – Salitre e Espírito Santo – Serra.

Exerceu ainda grande influência na construção das capelas de Nossa Senhora das Graças – Oiticica, São Judas Tadeu – Bairro dos Ferros, e São José – Bairro Barateiro.

- Em Uruburetama
Capelas: da Esperança (Cemitério), Sagrada Família (Comunidade Pau Alto), N. S. Aparecida (Comunidade Manuel Rodrigues), Santa Rita (Comunidade Bananal), N. S. da Conceição (Comunidade Araçás), São Francisco (Bairro da sede).

Concluiu a capela de São José (Bairro Angelim) e está construindo a de N. S. de Fátima (Comunidade Barrica).

E com a finalidade de melhorar as condições de acolhida das pessoas, principalmente para as reuniões das pastorais e movimentos, Pe. Pascoal também assina como responsável pela construção do Salão Paroquial da Catedral (acima da Sacristia), pela reforma e ampliação da Casa Paroquial e do Salão Paroquial de Itapajé, bem como pela Casa e Salão Paroquiais de Uruburetama.


MONSENHOR PASCOAL RIOS OSTERNE

ANIVERSÁRIO NATALÍCIO

31 DE JULHO de 1937

(77 Anos = 28.124 dias) 

PARABÉNS!



MONSENHOR PASCOAL RIOS OSTERNE

ANIVERSÁRIO NATALÍCIO:

NOSSAS HOMENAGENS AO MONSENHOR PASCOAL RIOS OSTERNE

“TÚNEL DO TEMPO DA HISTÓRIA DE ITAPAJÉ”
FATOS E EFEMÉRIDES DE ITAPAJÉ
31 DE JULHO de 1937


1937  -   31 de julho – Sábado - Nasce Pe. Pascoal Rios Osterne, que viria a ser o 13.º Vigário Paroquial da Paróquia São Francisco de Assis, atualmente Pároco em Uruburetama. Filho de Manuel Osterne e Inês Rios. Batizou-se em 11 de setembro de 1937, foram seus padrinhos: Francisco Neves Osterne e Maria Giffony Rios. O maior e mais querido benemérito de Itapajé, sua forma branda e humilde de tratar seus paroquianos transformaram-no em um amigo e conselheiro de muitos.  


PASCOAL RIOS OSTERNE - Iniciou seus estudo preparatórios na Escola Cura D´Ars, em Itapipoca. Posteriormente transferiu-se para o Seminário da Prainha, em Fortaleza, fazendo os cursos de Humanidade, Filosofia e Teologia, ordenado Sacerdote no dia 15 de agosto de 1964, por Dom José Medeiros Delgado.
Assume em 1965, como vigário cooperador, nas Paróquias: Capistrano de Abreu, Baturité e Itapiúna, junto com o Pe. Eduardo Fialho. Foi o 3º Vigário de Irauçuba de 1966 a 1977 e, posteriormente, cooperador do Pe. Manuel Lima e Silva, de Itapajé.
Quando vigário de Irauçuba, lá construiu a atual Igreja Matriz. Em 1970 foi nomeado por Dom Delgado, vigário de Assunção (Itapipoca). No ano de 1976, seis anos após ser vigário em Assunção, foi para Fortaleza, onde ocupou o cargo de Capelão da Escola de Aprendizes Marinheiros e também vigário do bairro Henrique Jorge.
Com a criação da Diocese de Itapipoca, seu primeiro Bispo, Dom Paulo Eduardo Almeida Ponte, o chamou para assumir o cargo de vigário (15º.) da Catedral de Itapipoca, no período de 1979 a 1982. No ano de 1981, divide seus trabalhos com a Paróquia de Assunção.
Em 1982, com o falecimento do vigário de Itapajé, Pe. Manuel Lima e Silva, Pe. Pascoal fica dando assistência provisória, assumindo depois o pastoreio como Vigário Titular, em dezembro de 1982. Padre Pascoal é sem dúvida, um homem determinado e grande “construtor de Igrejas”; construiu a de Santa Rita, no bairro de mesmo nome, a de São Pedro, no bairro Pedras Brancas, a de São Sebastião, no bairro Esmerino Gomes (Exposição), auxiliou na construção das capelas de Oiticica, Jorge e, ultimamente, a do bairro Bela Vista, sendo um dos principais torcedores para que fosse construída uma capela no bairro Ferros. Abaixo veremos algumas informações adicionais, sobre o “mais querido Pároco, de todos os tempos!
Já encaminhou diversos jovens ao seminário, entre eles os atuais padres: Arão Aldo, João Batista e muitos outros. Em junho de 1998, incentivou o jovem Joviniano, fazendo-o estagiar (morar) na Casa Paroquial. Com isso esperava, brevemente encaminhá-lo ao seminário. No entanto, após algum tempo esse jovem desiste da intenção de tornar-se padre.
Fica, no entanto, à certeza de que Padre Pascoal tenha sido o mais convincente incentivador de jovens ao Sacerdócio.
Também em 1988, já Vigário Geral da Diocese, deu ainda assistência a Paróquia de Uruburetama. Já foi Reitor do Seminário Menor João Paulo II, de Itapipoca, que também o construiu. É coordenador da Liturgia Diocesana e, durante dois anos, foi membro da C.R.C. – Renovação Carismática Cristã.
Padre Pascoal, atualmente – 2013 é Monsenhor. É filho do Sr. Manuel Osterne e D. Inês Rios, nasceu em 31 de julho de 1937. Foi batizado em 11 de setembro de 1937, foram seus padrinhos o Sr. Francisco Neves Osterne e Sra. Maria Giffony Rios. Dona Inês, sua mãe, com certeza merece os méritos de tê-lo encaminhado à vida religiosa, pois essa distinta senhora é católica fervorosa e pessoa de muito fino trato.
Foi ordenado Padre, como visto acima, em 15 de agosto de 1964, completou 25 anos de vida sacerdotal, Jubileu de Prata Sacerdotal, em 15 de agosto de 1989. Em junho de 1998, já conta 34 anos, como padre. Aproxima-se à data de seu Jubileu sacerdotal, no próxima ano de 2014.
Itapajé tem muito orgulho de “seu eterno” padre. Reconhece não ter o hábito de visitar mais amiúde de visitar seus amigos e paroquianos. Tem certeza, no entanto, de que é muito querido por esses. Conta entre seus amigos, com muitos “irmãos” de outras religiões.
Para a grande surpresa de toda comunidade, dia 4 de janeiro de 1999, recebemos, infelizmente, no primeiro momento, a notícia, dada por terceiros, de que Pe. Pascoal se transferiria para Uruburetama. De fato a notícia, triste mas, verdadeira, se confirmou, pois nesse mesmo dia, saiu de Itapajé.
Essa atitude, a princípio magoou muito seus amigos e, principalmente, aos seus parceiros de tantas lutas dentro das diversas Pastorais, por ele criadas. Dizia sempre que “ele tinha as idéias, os fiéis as executavam”.
A triste, porém verídica notícia, logo em seguida foi confirmada, Pe. Pascoal sairia de Itapajé, e isso espalhou-se, como um rastilho de pólvora! Ninguém acreditava ser verdadeira. Todos nós esperávamos de Pe. Pascoal, um comunicado, no mínimo, alguém indicado por ele o fizesse. Será que a comunidade, o seu rebanho, estaria exigido muito? Acho que não! Merecíamos receber o mínimo de atenção de quem amamos tanto, onde permaneceu por tanto tempo, desde 1982.
Foram 29 anos de uma convivência estável e harmoniosa com o povo de Itapajé. O maior motivo para surpresa, foi devido a forma brusca e inesperada de sua saída. Ninguém esperava seu desligamento de nossa Paróquia, principalmente devido a simpatia e respeito que gozava entre seus paroquianos.
Pe. Pascoal, durante as festas do padroeiro e em outras festividades, costumava dizer que a comunidade de Itapajé era muito solidária com os trabalhos da Paróquia, pois sempre se colocava em total disponibilidade para prestar quaisquer serviços que fossem necessários para o bom andamento dessas efemérides. 

Hoje, 31 de julho de 2013, entendemos os motivos que levaram a não despedir-se da comunidade. Com certeza,  Pe. Pascoal não suportaria uma despedida, de tantos amigos, conquistada com amor e carinho, sem muito sofrer. “Seus cabelos branco representam, para todos nós, seus amigos e eternos Paroquianos” e, especialmente para minha família: Ribamar, Socorro e Paulo Tadeu, a sabedoria, a paciência e a mansa humilde, por todos nós testemunhada.
Obrigado “Velho Padre”, por tudo que nos ensinastes, principalmente por ter conseguido conscientizar uma grande quantidade de leigos, para se integrarem à vida de nossa igreja. Sua persistência e determinação serviu-nos de exemplo e de bússola.

Receba um forte abraço de seus amigos e “Eternos Paroquianos de Itapajé”, nesse tão importante dia, para você, seus familiares e amigos.


Por hoje é o que tenho para contribuir, mesmo que modestamente, para um melhor conhecimento da História de Itapajé, Itapipoca, Uruburetama (e Ceará). Agradeço, em especial, a amiga Ana Maria Xavier e a amigo Juscelino Bomfim, além de muitos outros amigos que atenderam minha solicitação sobre o envio de informações e fotos, por e-mail e na internet. Um abraço. Ribamar Ramos. Fortaleza, 31 de julho de 2014. - (77º. aniversário natalício de Pascoal Rios Osterne -  Monsenhor Pascoal. Hoje se completam 28.124 dias do seu nascimento).

PENSE NISSO

"Grandes homens são os que fazem a diferença na vida de alguém. São os que sabem semear o jardim das afeições com as delicadas flores da atenção e da presença, nos momentos mais marcantes ou decisivos das suas existências".



FRASE DE HOJE

“Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só”. Amyr Klink


Por hoje é só! Voltaremos em uma próxima oportunidade!

Ribamar Ramos
Fort. 31 de julho - Quinta feira
Boa dia / Bom noite!